Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Você se lembra do blog de 1,5 milhão de reais da Maria Bethânia? Então vamos pensar sobre o assunto:

Quando ele se tornou um escândalo, pouca gente soube que o valor não era destinado à produção do blog em si (que qualquer pessoa da área sabe que custa muito menos que isso) mas o valor era destinado à produção do conteúdo: 365 curta-metragens filmados e dirigidos por Andrucha Waddington, um dos cineastas mais respeitados do país. O material seria publicado e exibido GRATUITAMENTE pela internet para quem quisesse assistir, diferentemente da verba destinada à produção cinematográfica destinada a filmes que muitas vezes nem chegam a estrear em salas nacionais ou permanecem restritas aos elitistas “cinemas de arte”.

Se ao invés de propor um projeto de acesso gratuito a esse material, a captação fosse para um filme que fosse exibido em salas de cinema, será que haveria essa repercussão toda? Considerando-se o fato de que a repercussão negativa foi gerada pela imprensa, por que criaram o escândalo? Ignorância ou má-fé? Seria apenas preconceito contra uma mídia moderna e distinta das tradicionais ou havia interessados nessa verba que seria destinada de qualquer jeito? Pra onde foi esse dinheiro?

Conclusão: Bethânia, para não se queimar, abortou o projeto que seria de enorme valia para a cultura brasileira e que poderia ser usado por professores de todo o país para desenvolver o gosto pela leitura a partir de uma mídia moderna. Mais útil que qualquer filme de Andrucha, por exemplo.

Definitivamente nosso país, governo e imprensa, precisam rever urgentemente seus conceitos de cultura.Image

Read Full Post »

Visite o meu site http://www.luisfelipebarbedo.com e confira os novos posts que estão sendo colocados lá.

Read Full Post »

Na última sexta-feira tive a oportunidade de participar do show de lançamento do CD Deus em primeiro lugar da banda carioca de hardcore cristão God First. A banda foi formada – ao que me pareceu – a partir de jovens que se conheceram no EJC (Encontro de Jovens com Cristo) e, a partir daí, resolveram tocar aquelas músicas que marcaram essa experiência do jeito que sabem e gostam: com muitas guitarras e pedal duplo. Por experiência, essa é uma receita prontinha para criar sobrancelhas franzidas e cara de “isso não tem como dar certo”. Certo? Errado!

Logo na primeira música (a já manjada “Deus é dez” de Márcio Pacheco) a banda mostra a que veio. Capitaneada pelo centroavante Marcelo Cortês (guitarrista e produtor da banda) com o auxílio do atacante Rob Machado (vocais), os laterais Thales Araújo e Marcelo Martins (guitarras), o zagueiro Rodrigo Oliveira (baixo) e no gol o figuraça Luciano Carvalho (baterista convidado), a God First é uma banda que tem como única pretensão celebrar a alegria de viver com Deus. O que eles fazem com grande maestria. O show é alegre, pra cima e com muita energia, afora o fato de que todos são muito carismáticos no palco e estabelecem com a plateia uma comunicação imediata. O que poderia ser apenas um grupo de garotos fazendo o seu barulho para se divertir, é na verdade uma grande celebração da alegria de ser cristão. E a God First não precisa abrir a boca para pregar sobre isso: está escrito em sua postura.

Nesses tempos em que o profissionalismo por vezes ameaça a espontaneidade e a autenticidade dos artistas cristãos,  a God First vem na contramão, mostrando com seu som bem cuidado, mas despretensioso; alegre, sem ser bobo e sério, sem ser sisudo. Antes de elaborar pregações sobre a vida cristã, podemos ver no rosto daqueles meninos estampada a face de quem está em lua-de-mel com Deus, com a alegria inerente de quem vive essa experiência. É aí que pessoas que se acham mais “vividas” na fé e acham que já viram de tudo precisam aprender a reviver algo que talvez tenha ficado esquecido em algum canto empoeirado do coração.

Acho que não foi por acaso que a banda escolheu abrir o CD com os seguintes versos: “Eu celebrarei cantando ao Senhor e só nele me alegrarei”. É exatamente isso que faz (e muito bem) a jovem banda God First.

Read Full Post »

Uma das coisas que mais me incomoda num debate é quando uma das partes – que normalmente é a que está em desvantagem – solta a seguinte pérola: “Mas não podemos generalizar…”. Incomoda porque não é verdade. Podemos. Podemos e fazemos. Podemos, fazemos o tempo inteiro e é inclusive por causa dela que podemos aprender certas coisas sem precisar que tenhamos contato direto com todas as possibilidades existentes debaixo do sol.
Se alguém pedir para você conjugar verbo tergiversar – tão propalado atualmente em tempos de debates políticos – provavelmente você vai enrolar a sua língua na pronúncia, mas irá acertar. Mas como, se você talvez nunca tenha precisado usar esse verbo? Por um simples motivo: você o conjuga como um verbo regular de 1ª conjugação, da mesma forma que andar ou cantar. Essa é a generalização usada de forma positiva.
Nosso cérebro não é capaz de dar conta da complexidade do mundo e uma das estratégias que ele tem para aprender é a de generalizar em determinadas situações. O problema é que essas generalizações podem gerar em nós distorções cognitivas capazes de nos enganar e nos induzirem a erros até graves. Um bom exemplo disso é o preconceito que nada mais é que um julgamento que fazemos de todo um grupo social a partir da impressão que temos acerca de uma pequena amostra desse grupo? Outro exemplo é a superstição. Ela simplesmente consiste num comportamento concomitante a uma determinada situação, ao qual é atribuída uma relação de causa, que, na verdade, inexiste. Ou alguém acha que a cueca que usa, de fato, influencia no rendimento da seleção brasileira nos jogos da Copa?
Entretanto, o erro nessa história não está na generalização em si, mas na interpretação que fazemos dela. Elas nos ajudam, mas não podem ser encaradas como verdades absolutas. Se eu digo, por exemplo, que as mulheres gostam de gastar dinheiro com compras, imediatamente alguma voz se insurge com aquela frase pronta de que falei lá no início. O que as pessoas normalmente não sabem é que a generalização não é sinônimo de totalização. O fato de grande número de mulheres gostarem de ir ao shopping, não significa necessariamente que TODAS elas gostem. E a generalização pode ser útil para se tirarem algumas conclusões.
Portanto, antes de você soltar aquela frasezinha irritante, com o intuito de desqualificar um bom argumento, avalie antes se a generalização é adequada ou não. Mas, por favor, não seja injusto, denegrindo algo que já te ajudou tanto nessa vida.

Read Full Post »

A universidade em que estudo ocupa o prédio de um antigo convento. Como convento que se preze, o prédio tem um pátio interno (aliás, dois. Um no térreo e outro no segundo andar, no que parece ter sido uma área de clausura) e uma capela. Não se sabe por que motivo a capela foi desativada, tendo sido retirado de seu interior tudo aquilo que pudesse remeter ao uso religioso daquele espaço, permanecendo apenas os belos vitrais e a arquitetura típica.

Presenciei hoje uma cena que, aliada à moldura de um dia chuvoso e nublado, me entristeceu: pela primeira vez, vi aquela capela com as luzes acesas durante o dia e, através da porta da frente aberta, espiei para ver o que ali estava acontecendo. Deparei-me com uns operários em cima de um andaime pendurando num gancho preso ao teto um globo espelhado. Desses mesmos que se usam com um ou dois refletores chamados pimbins e que, com alguma fumaça, produz aquele efeito bem característico de pista de dança.

Aquela cena que, caso eu estivesse munido de uma boa máquina profissional renderia uma belíssima foto, traz uma forte carga simbólica, especialmente para mim, já que ambos os elementos que a protagonizavam são bastante representativos para mim: na minha adolescência minha atividade predileta era discotecar. Aprendi as regras básicas do tum-tss-tum-tss e, munido de alguns vinis que, na época já estavam em vias de extinção, fiz a alegria de algumas festinhas pilotando pick-ups e crossfaders. Por conta das minhas atividades como músico, não investi nesse meu lado, muito embora ainda receba convites para ser o responsável pelo playlist da festa de algum amigo.

O outro elemento familiar era a capela. Minha relação com a fé sempre foi muito forte, e mesmo quando eu era criança e minha família era apenas católica de IBGE, minha mãe sempre fez questão de incutir noções de sagrado. Coisas como “aqui é a casa de Deus”, “aqui não se faz barulho”, “Jesus está ali”, me ensinaram a ter respeito pelo sagrado mesmo antes de entender muito bem o que quer que isso significasse.

Ao ver aquele dois ícones juntos, entristeci-me por ver que aquela cena era um retrato do processo de secularização que está esvaziando nossa sociedade. Alicerçada nos males que o mau uso da fé causou na história da humanidade, nossa sociedade ocidental parece estar fazendo a opção de jogar fora, junto com a água do banho, a criança. Empunhando o estandarte da razão, estamos deixando cair o da fé como se não fosse possível extrair o que há de melhor em ambos. Se por um lado a fé é responsabilizada por conflitos, é a razão que os arma. Se a fé é responsabilizada pela intolerância, é a razão que a instrumentaliza.

Também recordo-me de uma recente situação em que, na festa de N. Sra. Aparecida em uma paróquia daqui do Rio, entre outras atrações, foi convidada uma escola de samba que cantou um conhecido samba que, apesar de ser esteticamente impecável, era um canto de louvor à escola e utilizava-se de elementos da fé católica profanando-os para estabelecer suas metáforas. Isso promovido pela própria Igreja que julgava que a letra do samba homenageava Nossa Senhora, quando uma audição mais atenta percebe que a poesia apenas usa a referência religiosa para louvar a escola. Mais um momento em que o sagrado foi duramente golpeado justamente por aqueles que deveriam guardá-lo como seu maior tesouro.

Infelizmente é cada vez mais comum ver o sagrado ser desprezado, ou mesmo até ridicularizado em vários setores da nossa sociedade e poucas são as vezes em que nos damos conta disso. Para mim, foi necessário que a cena caricata de um globo espelhado numa capela me acendesse essa luz de que o espaço que não é ocupado em pouco tempo é tomado.

Read Full Post »

Inteligência, sensibilidade e espiritualidade

O que esperar da primeira obra musical de um artista que é compositor, cantor, músico, designer, ator, dançarino, rapper e talvez mais algumas outras aptidões que desconheço? “Sobre os Dias” está próximo ou acima do que você imaginou…

Depois da fase em que compôs a banda Em Nome do Pai, onde se destacou com composições consagradas como “Fiat (Faça-se)” e “Canção de Pedro”, Bruno Camurati visita suas referências do blues, do jazz e do pop-cool para fazer um CD requintado, repleto de sutilezas e impossível de ser digerido em uma única audição.

“Leva um tempo” abre o álbum de maneira ao mesmo tempo suave e contundente. Uma brilhante e complexa letra que fala sobre paciência e perseverança com um arranjo jazzístico envolvente e emocionante. Tirar de “Canção de Pedro” o título de obra-prima do cantor parecia ser uma tarefa impossível. Mas parece ser o que aconteceu.

Na linha das inéditas, destacam-se “Maltrapilho” parceria do cantor com Maninho, inspirada no livro “O Evangelho Maltrapilho” de Brennan Manning que nos relembra que Igreja é para ser lugar de doentes. “Oração simples” também se deleita do recurso da metalinguagem — o que aliás aparece em vários outros momentos do CD — sendo quase um manifesto contra os penduricalhos que costumamos colocar nas nossas orações. Certamente um dos pontos altos do disco é  “Lembra”, a confissão em tom menor (literal e figuradamente) de um pecador consciente de sua falta e de sua dependência da misericórdia de Deus. Emocionante.

Também estão presentes as conhecidas composições de Bruno Camurati “Quanto tempo você tem”, com forte sotaque soul; “Fiat”, que virou um suave jazz que massageia os ouvidos e a inevitável “Canção de Pedro” que, ainda mais bonita, traz até um cheiro de maresia…

Se alguém duvidava que era possível se fazer um CD cristão com bom gosto, inteligência, sensibilidade e espiritualidade, fica a dica. “Sobre os Dias” tem todos os ingredientes para deixar uma importante marca na música cristã do Brasil. Ou do mundo, por que não?

Read Full Post »

Acostumado a criar polêmicas, seja por conta de personagens politicamente incorretos como o sujismundo Cascão, seja por causa do linguajar caipira da turma do Chico Bento, Maurício de Sousa mais uma vez adentra num terreno bem pantanoso. E novamente relacionado ao campo da linguística.

Trata-se do personagem Bloguinho, irmão caçula do Teveluisão (conhecido somente por iniciados em Turma da Mônica, como eu), aficionado em internet e, como o nome sugere, dono de um blog de muito sucesso entre crianças da sua idade. Nada de mais se não considerarmos uma característica do personagem: a fala em “internetês”.

Na verdade o personagem não é recente, foi apresentado em novembro de 2004 no exemplar 221 da revista do Cebolinha, ainda na editora Globo. Tomei conhecimento dele lendo o número 32 da revista da Mônica, agora na Panini (toda vez que a Turma muda de editora a numeração recomeça). No entanto, o que no início aparecia ocasionalmente como falas pontuais e traduzidas em “internetês” nessa nova história aparece direto não só na fala do personagem como de todos os outros personagens da história, inclusive nos tradicionais Mônica e Cebolinha. Caso haja uma maior exposição de Bloguinho, Mauricio pode enfrentar um problema muito parecido com o que houve com a fala caipira do Chico Bento nos anos 80: acharem que as revistas estão “deseducando” as crianças.

Mais uma vez Mauricio de Sousa mostra um tino excelente para abordar assuntos relativos a preconceitos e inclusão. Ao levar a fala informal da internet para os gibis, Mauricio legitima uma característica de um grupo cada vez mais significativo na nossa sociedade. E amplia ainda mais as já esgarçadas possibilidades linguísticas do nosso país.

Já é bastante conhecida no meio linguístico a fala do Prof. Evanildo Bechara de que o falante deve ser um poliglota em sua própria língua e Mauricio de Sousa está dando a cara a tapa ao experimentar essa teoria. Porque no livro é sempre linda e respeitada, mas na prática sempre encontra militantes contra. Cabe a nós educarmos nossos filhos a, da mesma forma que os ensinamos a se vestir adequadamente, a utilizar a liguagem mais apropriada em cada ocasião.

Parabéns Mauricio, mais uma vez, pela coragem e competência!

Read Full Post »

Older Posts »